Parceiros

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Conto Insólito - Olhos abertos
























Lenora sentiu um mal estar súbito e um grande desânimo, a única coisa em que pensou foi deitar e dormir.

No meio da noite, de repente, seus olhos se abrem.

Não há o que ver, a escuridão se apoderou da casa. Calafrios percorrem o seu corpo imóvel. Tentou gritar, mas sua voz não saia e sua boca não conseguia se mover. Nada se ouvia, silêncio total... ficou ali paralisada, na memória, os muitos sonhos (pesadelos!) em que teve esta mesma sensação, parecia contá-los, quantos foram?

Abertos no breu apenas os seus olhos podiam se mover. Um frio intenso subiu-lhe dos pés a cabeça enrijecendo todos os seus músculos, uma sensação incômoda e incomum. Sentiu-se uma pedra de gelo pesando toneladas! Com esforço fechou os olhos abrindo-os após minutos de angústia.

Foi então que pode perceber as milhões de estrelas que a cercavam. Seu corpo cedendo a falta de gravidade ficou leve como uma pluma, embora ainda sentisse o frio e a imobilidade.

Corpos celestes, de variadas cores e formas se moviam juntando-se a um único ponto de luz e o ponto crescia a sua frente, até que todo o espaço profundo se encheu de luz. Na luz corpos surgiam do nada, corpos de luz a envolviam com seu calor, sua paz, sua calma e aos poucos seu corpo dançava nos céus, nos vários céus... não havia diferença, tudo era mesmo uma coisa só, uma vida que permanece e continua, contínua, para sempre...

6 comentários:

Adolfo Payés disse...

AAhh bello sabes que tus escritos son besos, ternura infinita que invade el alma solo leerlos, gracias siempre siempre sabes que te leo con amor ternura y respeto a la poeta que eres.. un abrazo

Cynthia Lopes disse...

Gracias mi querido Adolfo, muchas gracias....

Aline Gallina disse...

Olá... quanto tempo eu n vinha aqui.este casório de imagem e texto muito me interessa.
Vou ficar perambulando por acá.
Beijos.

Cynthia Lopes disse...

Oi minha linda que bom lhe receber em meu cantinho de imagens e versos! Volte sempre e sempre, um grande beijo...

Adolfo Payés disse...

Gracias por estar siempre allí. en donde tus palabras y versos acarician el tiempo por vivir...

saludos un beso

Cynthia Lopes disse...

Meu querido Adolfo, este nosso carinho e sensibilidade, faz com que o amor sempre dite nossas palavras. Obrigada pela honra de tê-lo sempre em meus espaços e versos. Saludos siempre...