Parceiros

sexta-feira, 15 de março de 2019

O BEIJO



estrela ardente tão louca
brilha na noite mais quente 
do céu da minha boca

sexta-feira, 8 de março de 2019

Relembrando

Em 2009, estava sendo lançada a Antologia XXI Poetas de Hoje em Dia(nte), organizada por Aline Gallina e Pri Lopes e da qual eu fiz parte. Um dos poemas que publiquei foi este:

ESTORVO

passou por mim.
estabanado, esbarrou no meu céu,
derrubando estrelas.

E com muita alegria reproduzo aqui o texto do poeta Nei Duclós sobre o lançamento da Antologia, exatamente o trecho em que ele fala deste meu poema!

" Poesia vale por vários motivos. Um deles é um poema inesquecível, que fisga na primeira leitura e nos acompanha, como este de Cynthia Lopes, da coletânea XXI: “passou por mim. estabanado, esbarrou no meu céu, derrubando estrelas”. A limpidez do verso, sua precisão, sua trajetória certeira, não pode ser confundida com a atual tendência de gerar hight-lights de impacto, mais fundado no trocadilho e na falsa surpresa. Um poema como o de Cynthia faz parte de outra linhagem, de uma poesia que usa o clima do aforismo para criar uma imagem, uma metáfora, quase uma parábola. Derrubar estrelas como um sinal do amor que chega de surpresa é pura criação, de uma leveza que acena para um voo mais alto." http://outubro.blogspot.com/2009/04/poesia-toda-hora.html

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

MEDO DE AMAR




jura? você vai mesmo embora?
logo agora que tudo ficou cor de rosa
eu não acredito que você não enxergue
do jeito que eu vejo o nosso amor hoje

ah meu querido o que eu faço nesse vazio?
meu amor meu coração está aos pulos
acho que vou ter um ataque
a qualquer momento

cruzes você já arrumou as malas
e as colocou bem na porta da frente
eu não terei nem a chance de argumentar?
será que você não vê o que construímos?

o que faço com tudo isso que sinto?
meu coração parece que está sendo
arrancado de dentro do meu peito
não sei o quanto mais eu aguento

se houvesse alguma justificativa
alguma justiça em sair pela porta afora
destruindo tudo que somos um pro outro
além do seu medo da felicidade...

eu não sei deixar de te amar
eu não sou uma máquina de fazer café
eu era o teu amor até tão pouco tempo...
eu não tenho medo de nada

só não vejo a possibilidade
de você fechar as portas atrás de si
sem arrancar de mim a minha alma



quarta-feira, 7 de novembro de 2018

CATIVOS








coração aprisionado
encanta encanta a dor
solta a garganta onde o vento
faz a curva logo ali adiante

coração aprisionado
encanta encanta a dor
como um músico louco
ou um espantalho no milharal

coração aprisionado
encanta o encantador
dança e se espanta com o amor
e se lança sem asas

coração aprisionado
te encanta amor
com toda a sua dor
e o dom da sua nudez

este coração aprisionado
se encanta e encanta
com todas as cores da paixão
com toda a sua obsessão

toda compreensão de
seu mútuo cativeiro


(*) Intertexto com a música Coração Aprisionado de Luli e Lucina.


sexta-feira, 20 de julho de 2018

ROTAÇÃO




toda viagem
começa
num ponto

toda viagem
caminha
pra dentro


toda viagem
move
sentimentos


toda viagem
termina
no vento

segunda-feira, 28 de maio de 2018

FIM DE JOGO


quando não temos mais sonhos
e toda esperança se foi pra nunca mais,
ainda resta em mim a lembrança
do azul dos teus olhos,
desses teus olhos azuis.

por trás dos óculos escuros,
da mágoa que alimentamos
contra este mundo que tenta,
de todas as maneiras, nos destruir
estão os teus olhos azuis...

apesar da loucura e da indiferença
e dos muitos anos que já se vão,
não consigo deixar de me lembrar de ti.
(no fundo continuo a mesma,
me torturando por nada)

um pouco de masoquismo, 
outro tanto de puro sadismo,
o amor é sempre cruel, sempre estupendo,
sempre azul... como esses teus olhos.
não temos lastro ou coisa qualquer em comum,

mas com você enterrei meu coração
e agora ando sozinha.
são ruas turvas e caminhos tortos,
outros não existiram ou existirão...
por trás dos teus olhos azuis