Parceiros

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

bêbada bomba cardíaca



balão abandonado
rolado pelo chão
sem qualquer
utilidade

chutado pelas crianças
que o veem sem dono
de um lado pro outro
sem direção

coração jogado
na sarjeta das ruas
sozinho, furado
nem pra bola

tem mais alguma serventia!

Do meu novo livro: Amor em tempo de esbórnia


sexta-feira, 24 de junho de 2016

Da necessidade do sonho



precisa-se de poetas
para escolher palavras
e dispô-las em versos
como vinho raro e precioso

precisa-se de poetas
 para sorver as madrugadas
e fazer versos a mulher lua
 que se mostra à janela

precisa-se de poetas
 para despir os amantes
 e calar as bocas com beijos
 apaixonados e ardentes

precisa-se de poetas
 para com rimas raras
enfrentar a força bruta
 dos algozes desta vida

precisa-se de poetas
 para irmos as ruas
 com nossas bandeiras
 hasteadas ofertando poemas

 precisa-se de poetas
 para que neste mundo cinza
 possa se instalar um arco-íris
                                             da mais viva poesia

terça-feira, 3 de maio de 2016

peçonha


chicote na carne
(sal grosso e sol
pra curar as feridas)

não me venha falar
de verdades quando
sabemos ser tudo mentira

agora morde a carne
esta posta de sangue
e chaga aberta

não olhe pra mim
com estes olhos de pecado
sei bem que me tens ojeriza

agora pisa a carne
esta podridão fedorenta
esse estrume

e não me abra a boca
pra falar de sentimentos
sei que por mim se sentes nada
é muito

joga a carne no lixo
mas antes a moa e ponha
o teu veneno

pois é isso que tens por dentro


terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Novo Ano

Nada como começar o ano com uma revoada de pássaros!

"Prezo insetos mais que aviões.
Prezo a velocidade
das tartarugas
mais que a dos mísseis.
Tenho em mim
esse atraso de nascença.
Eu fui aparelhado
para gostar de passarinhos.
Tenho abundância
de ser feliz por isso.
Meu quintal
É maior do que o mundo." Diz assim meu querido poeta Manuel de Barros, o mais doce de todos os poetas... a gente tem muito a aprender com Manuel, aproveitem o voo e se lancem neste 2016. No dizer de outro poeta do povo: eles são muitos mas não podem voar (Ednardo, Pavão Misterioso).

Nota: A foto maravilhosa do poema "libertação" é do fotógrafo Du Zuppani, gentilmente cedida a mim para o meu segundo livro, obrigada sempre meu amigo!

libertação

libertação

para alçar voo, o pássaro
deve tomar impulso
contra o vento.

para alçar voo, o poeta
lança seus poemas
contra os ventos.

asas abertas
 voa livre e revela
         suas rotas secretas

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

magia dos dias




o mar é meu chão. já a linha
do horizonte, meu prumo.
gosto da lida diária
e depois, exausta, pela
noite vencida, me deitar
neste fio tênue, balançar
ao sabor dos ventos, fechar
meus olhos, apagar uma
a uma as estrelas e os
astros, em minha mente.

adormecer no colo
do útero divino, sem sonhos,
sem sombras, silente.

*Desenho do livro Dibujos Invisibles, de Gervasio Troche.

sábado, 29 de agosto de 2015

Estação desencontro


o amor, esta via de mão única.
caminho em sua direção como
fosse para o cadafalso, submissa.
por quê? talvez reconheça as minhas

falhas em ti. o amor esta via
de mão dupla, enquanto eu vou,
você faz o caminho de volta.
um show de desencontros absurdos.

um vai e vem sem qualquer sentido.
malas prontas pra partida, sem rumo.
de certo apenas o incerto sentimento,
a certeza do risco, de viver o perigo.

malas prontas rumo ao coração partido...

 (*) Desenho de Gervásio Troche - do livro Desenhos Invisíveis, Ed. Lote 42, 2014.

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Mil e uma noites


quando este mundo era apenas abismo,
o Deus menino sobre ele se debruçava
e brincava de contar histórias sobre
seus planos, suas ideias, para o universo,

para todos os planetas, inclusive aquele
em que despertaria os homens e as mulheres.
Ele abria o livro da vida e de cada folha
saltavam galáxias inteiras, astros, estrelas,

seres inomináveis e extraordinários.
relevos, animais de toda espécie, plantas,
flores, paisagens inacreditáveis e feitos
memoráveis. e. a cada página, a cada história, 

que o menino contava, as coisas se transformavam
à sua volta, todo tomava vida, tudo passava
a existir de fato, tudo era criado, lindo e
perfeito, como as histórias dos meninos sempre são.

mas à medida que tudo era e existia agora por si mesmo, 
adquiria vontade própria, força criativa
e necessidade de expressão, as personagens
passaram a contar várias outras histórias, dentro da história,

que o Deus menino nos conta até hoje.



segunda-feira, 23 de março de 2015

Irmãs de palavra

Estou aqui nas Irmãs de Palavra com meus versos poêmios!
 
http://irmasdepalavra.com.br/2015/03/22/as-irmas-de-palavra-falam-de-poemia-porque-a-vida-e-mesmo-poesia/

Obrigada meninas, bjssssssssssssss

domingo, 11 de janeiro de 2015

Dos efeitos do tempo


  









o tempo apaga os traços do desenho,
esgarça a renda dos vestidos,
amarela o branco dos sorrisos,
distancia amores perdidos.

traz à memória saudades latentes,
desperta o sonho adormecido.
nos faz estranhos frente aos espelhos,
nos rouba o futuro presumido.