Parceiros

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Último conto de inverno - Rancor

Robério odiava muito.

Sempre dizia: - eu odeio isto ou aquilo, com ênfase e entusiasmo quase infantil. Podia-se notar o prazer que lhe trazia aquele sentimento, embora, lhe fosse inconfessável.

Discutia com a televisão, falava alto quando lia alguma notícia desagradável, dificilmente dizia algo de bom ou comentava um fato quando positivo.

Um dia, ao assistir uma partida de futebol na tv, dessas partidas importantes, decisão de campeonato, o time do coração podendo ser campeão etc e tal, no auge da torcida, com o grito de gol já pronto na garganta, neste momento, o bandeirinha anula o gol da vitória! Naquele exato momento Robério solta um grito furioso e cheio de ira deixando extravasar toda sua raiva do mundo.

Acordou alguns dias depois no hospital, soube pelos familiares que tinha tido um derrame, através de gestos, pediu um espelho. A mulher, temerosa, coloca o espelho diante dele e Robério vê, com orgulho, todo rancor estampado em sua face deformada.

8 comentários:

RosanAzul disse...

Passando para te ler e deixar um grande abraço de paz e luz! Bom domingo! Beijo, Rosana

Sonhadora disse...

Minha querida

Há pessoas que nunca vão aprender, cá há um ditado que diz: O QUE O BERÇO DÁ A TUMBA O TIRA.

Deixo um beijinho com carinho
Rosa

Cynthia Lopes disse...

Obrigada Rosana!!!
bjs

Cynthia Lopes disse...

Beijinho cheio de carinho,
Rosa-Flor!

Paulo Tamburro disse...

Sempre muito bom passar por aqui.

É por esta razão que venho sempre.

Um abração carioca.

Cynthia Lopes disse...

beijão carioca para ti, Paulo!!!!
sempre bom te ver!

Rogério Pimentel disse...

Não me diz quem é o bandeirinha que anulou o gol.Posso inserir o retrato dele no inverno. Bjus

Cynthia Lopes disse...

rsrsrsrs....
nem eu sei o nome do infeliz, Rogério.
bjs