Parceiros

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Angústia...














Tags: arte, Edvard Munch, modelo perto de cadeira.


Estou triste... quase à beira
do intangível. É a parte
que nos assiste no fim
de tudo; o que é particular,

de cada um somente. Eiva
de nossas almas unidas
por este urgente amor. Nós,
sementes que desabrocham

nas palmas de nossas mãos.
Pedras esculpidas no
deserto, na solidão.

No beiral do mundo atônito,
às portas do precipício,
estranhos umbrais harmônicos.

6 comentários:

ADiniz disse...

Eu tinha medo do escuro,descobri a luz,corri pra dentro de mim.
Quando me joguei no precipicio, fui supreendida pela mão da brisa, que suavemente me levou ao alto para sentir o vento como um passaro deslizando pelos ares abrindo nuvens em um vôo só encantado em canto por outro canto.

Meu passaro tem um lindo longo pico,ele esta sempre a transportar sementes para roserais.
Bjs obrigada pelas palavras.

Cynthia Lopes disse...

Lindo Ana, uma inspiração... bjs

Ricardo Kersting disse...

Talvez seja esse mesmo o fim
sós tangenciando o intangível
e tentando tocar o intocável.
sós sendo cada um em si mesmo.
Parece que se fosse diferente, não
seriamos nós...
E o que nos une, é intocável?
É intangível? E angustia...
Beijos

Cynthia Lopes disse...

Não meu querido, o que nos une é a esperança! Não sei bem como lhe dizer isto, mas vou me arriscar: tudo coopera para o bem daqueles que amam a Deus acima de todas as coisas, com toda a sua emoção e todo seu entendimento. Nada tira do homem a paz e a alegria plantada por Deus em nossos corações.
Gostaria imensamente que vc pudesse sentir o amor incondicional de Deus por cada um de nós! Sentir o calor, o conforto, o consolo e a segurança de quem tem fé. Na quietude e no silêncio podemos sentir sua presença e é isso que nos tranquiliza, nos faz dormir e acordar para um novo dia, esta é a semente que nos une. muitos beijos sem angústias ou dores...

Adolfo Payés disse...

con la pinturas y tus versos complementas la ternura de la vida en poema..


poeta

un abrazo inmenso siempre con el cariño de siempre

besos poeta del alma

Cynthia Lopes disse...

Gracias mi querido Adolfo por su ternura inmensa y su cariño.